• José Rosa

O RÓTULO É A CERTIDÃO DE NASCIMENTO DO VINHO


Várias e preciosas informações e dicas estão estampadas nos rótulos dos vinhos. Algumas tão importantes que deveriam aparecer em destaque nos rótulos, que muitas vezes são lindos e vazios de conteúdo informativo sobre o líquido que está dentro da garrafa.

Pode parecer exagero mas o Rótulo de uma garrafa de vinho deveria ser considerado a certidão de nascimento do vinho e é muito importante na hora da compra. E para saber exatamente o que você está comprando, é fundamental entender as principais informações contidas no rótulo.

Ë obvio que aqueles exemplares que você já está habituado a comprar e degustar já não te tomam tanto tempo lendo o rótulo ,mas certamente você já fez isto um dia.

Esta análise do rótulo fará com que você minimize as chances de adquirir um produto que não corresponda às suas expectativas. E é importante ressaltar que nem todos os rótulos apresentam a mesma qualidade de informação, alguns são mais detalhados, outros mais genéricos. Mas existem algumas informações básicas, presentes em quase todos os vinhos finos.

Esta informação que está lá colada à garrafa é justamente para mostrar ao consumidor tudo o que interessa na bebida, , ou pelo menos deveria ter , pois alguns produtores são muito econômicos, e devem conter ao menos: país produtor, vinícola, variedades de uvas, safra, teor alcoólico, volume, entre outras.

VARIAÇÕES BÁSICAS DE RÓTULOS DE VINHO

Mas são tantas as opções de vinhos no mercado que seria quase impossível estabelecer exatamente o tipo de rótulo. Podemos considerar que existem dois tipos de rótulos , os do NOVO MUNDO e os do VELHO MUNDO.Isto considerando de forma simplória apenas os detalhes abaixo. Mas é importante frisar que estas informações são mediadas por leis governamentais, já que os rótulos contêm informações obrigatórias regulamentadas por órgãos oficiais do governo de cada país.

Rótulos de vinhos do novo mundo

Os países que produzem os chamados Vinhos do Novo mundo, como o Brasil, Argentina, Chile, África do Sul, Estados Unidos, Austrália, entre outros dão mais importância ao nome do vinho e a uva.

O nome geralmente ganha grande destaque no rótulo.Muitas vinícolas possuem diversas linhas de vinhos e, para melhor identifica-las, cada linha recebe seu próprio nome.

A vinícola chilena Concha y Toro, por exemplo, possui os vinhos Don Melchor, Marques de Casa Concha, Casillero del Diablo, entre outros.

Alguns produtores não dão um nome específico aos seus vinhos, utilizando apenas o nome da própria vinícola, muitas vezes seguido pelo nome da uva e safra. Muitos vinhos (principalmente do novo mundo) apresentam no rótulo uma ou mais uvas que foram utilizadas em sua produção. Isto ajuda o consumidor a ter uma noção do estilo e sabor do vinho que está comprando, além, é claro, dos pratos que podem harmonizar com ele.

Quando o vinho é produzido com apenas uma variedade de uva (ou uma grande porcentagem dela) é chamado de vinho varietal. Se produzido com duas ou mais uvas, é nomeado como vinho de corte ou assemblage.

Rótulos de vinhos do velho mundo

Os países que produzem os chamados Vinhos do Velho Mundo, como a França, Itália, Espanha, Portugal, entre outros, já se preocupam mais em destacar o produtor e a região onde as uvas foram cultivadas.

A região onde o vinho foi produzido ganha mais destaque em rótulos de vinhos do velho mundo, onde indica, muitas vezes, a qualidade superior de um vinho.

Algumas regiões são conhecidas por terem o clima e solos propícios para o cultivo de determinadas uvas, como no caso da região de Chablis, na França, famosa pela produção de brancos da uva Chardonnay, ou Bordeaux, conhecida pelos seus tintos a base de Cabernet Sauvignon e Merlot.

Além da região de origem, muitos vinhos dão destaque às subregiões – áreas menores com solos e micro-climas de características particulares que encontram-se dentro de regiões maiores.

Geralmente, quanto mais específica a origem das uvas, podendo ser uma subregião ou até mesmo um determinado vinhedo, mais refinado o vinho e maior o seu preço.

A safra indica o ano em que as uvas foram colhidas. É uma informação muito importante, já que alguns vinhos podem melhorar com o tempo, enquanto outros perdem suas melhores características.

Existem também os vinhos de guarda, aqueles que podem evoluir por muitos anos e até mesmo décadas.

Os vinhos que não apresentam a safra no rótulo, como a maioria dos vinhos espumantes e vinhos do Porto, são aqueles produzidos com uvas colhidas em diferentes anos.

Decifrando o Rótulo

Fontes:

Espumantes web

Vida e Vinho

Clube dos Vinhos


92 visualizações

As imagens apresentadas neste site são meramente ilustrativas. Os produtos apresentados estão sujeitos a variações de preço conforme determinação dos respectivos e-commerces. Qualquer dúvida favor entrar em contato através do
e-mail  contato@wineandfood.com.br